Blog do Pósnik


19. DE PENTECOSTALISMO & POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA !

        Mais uma vez, devemos nos socorrer dos nossos encontros de English Conversation das 5as. feiras, agora na Casa Latinoamericana – CASLA, para nos ajudar na compreensão do contexto e do universo em que estão inseridas nossas Políticas Públicas de Cultura – se é que existe ou existiu algo desse gênero, aplicado em nosso País, sob a sempre reiterada, perspectiva republicana. Desta vez, para destacarmos um tipo de concorrência a que elas estão submetidas. Bem, acho que nem é preciso reiterar aqui, as precariedades já apontadas antes, dos seus aparatos institucionais, dos seus recursos humanos e orçamentários, dos vícios do compadrio clientelista dominantes na área, do encasulamento esterelizador que os políticos a mantém - como que para evitar que no contato direto com a sociedade, ela venha a romper estes limites. Limites estes, acrescidos de outros fatores inerciais, sempre levaram a área a apresentar baixíssimos níveis de resultados e de impacto, o que contribui para a mantê-la completamente ausente do imaginário coletivo da sociedade.

        Há cerca de duas semanas atrás, em razão de termos mencionado nosso interesse pelo tema ao nosso facilitador, o britânico Roy Madron (*) - cientista político, autor de livro já mencionado neste Blog e que prepara uma segunda obra, entre as suas estadas, já há cerca de dois anos, entre o Brasil e o Uruguai (para onde vai, no próximo dia 14/11), ele nos remeteu, anexo a e-mail, um artigo, do pesquisador uruguaio Raúl Zibechi, sobre como se dão os avanços do Pentecostalismo, nas periferias das grandes cidades brasileiras e de alguns outros países da América Latina. O texto para o qual estamos linkando a seguir     http://www.ircamericas.org/esp/5542         (en español), nos mostra quão pragmática, articulada, ambiciosa e efetiva é a forma de atuação dessas correntes religiosas, na conquista de novos prosélitos - começando sempre, pelas mulheres e seus filhos. Periferias estas onde como atividade de lazer, só há botecos e ..... templos ! Templos, parece que tolerados pelo crime organizado ...  Sem qualquer presença do estado.  Como concorrentes da ação cultural, que poderia chegar lá.  Estas correntes religiosas dão de 10 X 0 na Cultura, usando o jargão futebolístico. Até porque sua filosofia carismática, têm um amplo apelo lúdico.  A pergunta é para as autoridades públicas da Cultura: quando esse jogo vai mudar ?

 (*) Para o nosso interesse em Políticas Públicas, essa convivência tem sido muito proveitosa. Não só por sua formação e experiência como cientista político, mas também pelo fato da Inglaterra (e a Grã-Bretanha em geral) ter sido o primeiro país (ou conjunto de países), a empreender políticas públicas de cultura - durante a reconstrução do País, no pós-guerra, para recuperar a auto-estima de sua população.



Categoria: Políticas Públicas de Cultura
Escrito por W. Pósnik às 18h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




18. BUTÃO: TRADIÇÃO, BUDISMO E FELICIDADE !

        Ontem (09/11/08), esbarrei com uma matéria sobre o reino asiático do Butão, através de uma ‘chamada de primeira página’ no UOL. Versava sobre viagens àquele País, mas continha um dossiê completo acerca dos mais variados aspectos da vida deste povo. Estado nacional situado entre a China e a Índia sob regime monárquico, com estilo de vida extremamente simples, com a quase totalidade da sua população vivendo em estado de grande pobreza - com costumes, tradições, religião etc. bem diferentes das nossas. Isto me levou a relembrar a menção a esta questão, num evento ocorrido em 2004 em Curitiba, chamado ICONS; onde se discutiu o estado da arte dos ‘indicadores de sustentabilidade, no mundo daquele momento. Chamou-me atenção a exposição do pesquisador britânico Adrian White, da University of Leicester, de um trabalho que havia feito sobre esses indicadores no Butão, no qual ele destacava que o principal objetivo de vida do povo butanês era a busca da felicidade. Após um esforço de um grupo de pesquisadores dessa instituição britânica, foi possível sistematizar um instrumento que medisse o nível de felicidade de grupos de de pessoas. No caso do Butão, sustentabilidade estaria estreitamente correlacionada à felicidade. Tal pesquisa foi aplicada a cerca de 80.000 pessoas de 178 países. Seu resultado comparativo, colocou a Dinamarca na primeira colocação e o Butão, surpreendentemente, na oitava. A matéria, sob o ângulo turístico, publicada no UOL também destaca esta característica curiosa deste País e seus esforços em manter sua identidade cultural, diante de vizinhos gigantes. Ela está disponível em      http://viagem.uol.com.br/guia/cidade/butao_index.jhtm

 

   

        Como nosso objetivo é propor e discutir estratégias de formulação, aplicação e avaliação de Políticas Públicas de Cultura sustentáveis, achamos que essa referência a este povo longínquo, tem muito a nos dizer, muito a nos ensinar, especialmente quando observamos a correlação que tem na nossa sociedade, das práticas ou do consumo de bens culturais, com o bem estar espiritual das nossas populações. Como exemplo de outras referências, citaremos um evento internacional, realizado no Butão, com o mesmo objetivo, que envolveu um declaração conjunta, que está em       http://www.grossinternationalhappiness.org/downloads/GIH_report_18-2-04.doc

 



Categoria: Políticas Públicas de Cultura
Escrito por W. Pósnik às 18h05
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sul, CURITIBA, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, English, Arte e cultura, Esportes, e Políticas Públicas de Cultura
Histórico
Categorias
  Todas as Categorias
  Políticas Públicas de Cultura
  Causos & Coisas
  Esportes
Outros sites
  'Jangada Brasil'
  'Cápsula da Cultura'
  'Digestivo Cultural'
  'Cultura e Mercado'
  Revista 'Agulha'
  'Le Monde Diplomatique-BR'
  Millor Online
  Prospect Magazine (UK)
  TED - Ideas Worth Spreading
  Rascunho - Literatura
Votação
  Dê uma nota para meu blog